Creative Commons License
O conteúdo deste blog está licenciado sob uma Licença Creative Commons.

sábado, 19 de maio de 2007

Vou mudar!

Acabou-se tudo!
Foi engraçado, mas agora vou mudar. Para o quê? Não sei.
No fundo tenho medo das mudanças. Nunca se sabe se é para melhor ou para pior. Nunca se sabe se é para muito tempo, pouco tempo... ou se é para nada, e para em nada se tornar.

As mudanças são curiosas, despertam a curiosidade do desafio em si, isso gosto. Mas tenho medo. Porque mudo e sem dar por isso, não acontece nada. Fica tudo igual, porém mudo...

...por vezes tenho dúvidas, outras tenho certezas. Vai daí e observo que não saí do mesmo lugar. Enfim...

Acabou-se tudo!

8 comentários:

Maeve disse...

Acabou-se tudo!!
Não
Agora é que vai começar!

E eu só posso dizer... Boa Sorte.

;)

Cigana disse...

Eh lá, que é isso? Saturday night neura?...

AlfmaniaK disse...

Maeve
Ora aí está uma perspectiva muito interessante. Parece que sim. Fecha-se um ciclo, inicia-se outro.
Obrigado pela chamada de atenção :)

Cigana
Ora é apenas uma neura que em latim seria qualquer coisa como: "Mulherus chatus com'ó caracium!"

InsideOut disse...

Uiii... Houve loucura por essas bandas. Acabou-se tudo o q? Alguma desarrumaçãozita? Vá, explica.

Bjos.

AlfmaniaK disse...

InsideOut
Olha lá a cusquice, hein! Ora que esta. Já não se pode postar uma posta de texto que querem logo o mar por inteiro.
Não explico. Faço birra como um adulto deve fazer.

Mau disse...

Birrento, fica-te mal não contares. Tens de saber manter o nivel, a tua motivação é importante. Vá queremos saber! O que acabou? O que começa agora?

pekenina disse...

Mudar faz bem. Mesmo quando não é pra melhor, aprende-se com os erros!

Mas vai tudo correr bem, seja lá que mudança for!

Bjo *

AlfmaniaK disse...

Mau
Foi simpático sugerires e justificares que sou eu quem tem o ónus da obrigação em me expor mais do que quero. Toucou-me e vou considerar o teu comentário.
:)

Pekenina
Mudar faz bem?! E se se tratar de uma mudança irreversível?
Tudo bem que posso aprender a viver com o erro, e não voltar a repetir... mas o medo é genuíno, ou não?