Creative Commons License
O conteúdo deste blog está licenciado sob uma Licença Creative Commons.

domingo, 29 de abril de 2007

Somos tão limitados

Parando para observar mais um pouco:
Esta capacidade idiota, de tornar tudo um pouco mais figurativo, estende-se por tudo o que nos rodeia, mas que não tenha informação “multi-canal”.
Se ouvimos um som, colamos-lhe uma cara. Se lemos um livro, colamos-lhe uma voz. Se vemos um filme, colamos-lhe um sentimento. Se lermos um sms, colamos-lhe um tom!!!!

Acho graça à noção limitada de interpretar “texto” através de letras, palavras, conjugações e, finalmente, frases.
Por mais pontuação que se use. Por mais cuidada que seja a estrutura do texto… falta-lhe tacto! Onomatopeias ou interjeições ficam aquém do que se pretende transmitir, porque o cérebro faz a leitura que lhe parece mais credível à data da sua interpretação. O meu cérebro atribui a conotação que eu prefiro dar no momento:
“Epá! E tu a dar-lhe!!”

Reparei nesta capacidade interpretativa pobre, ao observar as sms… e agora ao ler blogs.
O que escrevo é mal ouvido por quem lê… Parece-me! Ou então sou eu que oiço mal o que escrevem. Afinal qual é o tom que se pretende passar quando se escreve? Tão limitados que somos, ao ponto de: com raiva pressionar as teclas – como quem diz, que a mensagem segue com agressividade; ou então a rir e a rir mais um pouco, escrevemos as respostas – como quem diz que a minha resposta vai com ironia e bom humor.
Enfim!... Em ambos os casos, nunca implícito… porém óbvio! Que disparate.
Posso aprofundar a ideia, mas acho que já perceberam!

10 comentários:

InsideOut disse...

Também me acontece muito isso, sabes. Escrever uma coisa, e as pessoas lerem outra. A falta d eum tom de voz é muitas vezes, uma ausência determinantes, não é?

Um beijinho.

AlfmaniaK disse...

É! De todo que é!
Fascinante é que lemos e fixamo-nos à nossa interpretação. Sem considerar outros tons... Olha por exemplo para os sms entre um casal enamorado... sempre a tentar adivinhar o que se quer dizer... enfim!

InsideOut disse...

Sim, por vezes as pessoas dizem uma coisa com um tom que não aquele que é ouvido pelos outros. isso agrava-se quando a cominucação é escrita, sem dúvida. Ou quando existeme sentimentos que interferem.

AlfmaniaK disse...

Exactamente! É caso para dizer que as emoções/sentimentos são uma forma de ruído na comunicação! Fantástico.

pekenina disse...

O problema é quando as pessoas estão à nossa frente,a ouvirem a entoação que damos às palavras, a assistirem aos gestos que fazemos, e mesmo assim não nos percebem!
Tantas vezes que isso acontece...

AlfmaniaK disse...

Pekenina:
Lá está! Somos muito limitados. Embora também me sinta incomodado quando isso acontece, confesso que por vezes o limite pode ser mesmo do comunicador. Não vou dizer que é um caso do ovo e da galinha, mas é sem dúvida um caso do estudante.
"Um aluno tira negativa a um teste. De quem é a culpa? Do aluno, do professor ou dos pais?"

Pois é. A origem da falha é deveras discutível, mas o limite da nossa capacidade interpretativa é notável... ou não sabemos dizer ou não sabemos ouvir. Enfim!...
Bjs grandes!

InsideOut disse...

Mas saberemos viver pondo de lado esse ruído?

Pipokka disse...

pois, isto de ler coisas de quem não conhecemos de lado nenhum dá nisto! Pode sem querer e sem ser por mal, dar origem a más interpretações

Jokinhas

AlfmaniaK disse...

InsidOut
Sem dúvida que sim... bem ou mal, vamos vivendo assim. Se não fosse possível a língua já estaria morta, meio mundo andaria à pancada, e o resto aos beijinhos.
Bjs <-- vês?

Pipokka
Tendo consciência que isso acontece é a razão porque identifico este comportamento de ridículo...
Jokinhasinhainhas (mas enormes)

InsideOut disse...

Concordo contigo!
Eh eh! Beijinhos também para ti!