Creative Commons License
O conteúdo deste blog está licenciado sob uma Licença Creative Commons.

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Momento

Luar! Momento!

do Lat. momentu

      s. m.,
            espaço pequeníssimo de tempo;
            ápice;
            instante;
            tempo ou ocasião em que alguma coisa se faz ou acontece;
            ocasião azada;
            lance;
            conjuntura;
            valor;
            importância;


Sendo apologista de querer viver o momento, ultimamente e a par das experiências que tenho passado, reparo que a noção de momento, do presente, do agora, está muito em alta. Muitos defendem a necessidade de abstracção do tempo e que se aproveite o momento. Não falo do Carpe Diem muito próprio da adolescência, mas sim do viver a vida.
Esquecer o passado e evitar a projecção do futuro.

É aqui que começa a minha percepção da realidade. O momento não existe. O momento é um misto entre o minuto seguinte(3) e o minuto anterior(1), mas nunca o minuto que acontece(2).
Infelizmente não sei observar o momento como devia. Por uma razão muito simples, porque quando me apercebo do momento e o procuro sentir ou procuro saber o que sinto, será sempre em função do passado ignorando o que se segue. Ou então, penso no que se segue e ignoro o passado. Isto parece-me completamente errado.

Para se aproveitar o momento, digo eu, a forma mais razoável será tentar sentir o que ainda temos do passado imediato e, em função deste, preparar a recepção para as sensações ou emoções futuras... ignorando o que está a acontecer.

Um beijo.
O momento começa com a sugestão de haver um beijo. Assim que sentimos a sugestão em si, deixamos de estar nesse momento ou parte do momento. Ignoramos esse passado e procuramos o que se segue: O beijo. O momento é falso.
No entender de cada um, a definição de momento será o beijo, mas tudo o que acontece durante, antes e depois são fracções desse momento ou momentos em particular?

O olhar não foi ele um momento? O toque da pele? O sentir do cheiro? A cor dos lábios? Para mim tudo isto são momentos isolados, que construiram outro momento. O beijo.
O que se segue é outra cadeia de momentos, simétricos à forma, mas cadentes na itensidade... O olhar, o toque, o cheiro, o calor, mas tudo como se fosse um fade out.

Descrevi um beijo, mas esta linha de raciocínio transporto para outros pseudo-momentos: Ganhar aposta; Sexo com a melhor amiga, ou com desconhecida, ou com amante, ou em local público, ou em grupo; Festas (mais sexo); Corridas; Promoção; Jantar; Directas; Conhecer gente nova; ouvir aquela música ao vivo; palco...

Só encontro uma razão porque prefiro ignorar o minuto do meio(2), porque sentir envolve interpretação... e eu não quero estragar os meus momentos questionando-os. Interpretando-os. Apenas viver e passar por eles!
Isso mesmo, passar por eles...

6 comentários:

Crestfallen disse...

"O momento é um misto entre o minuto seguinte(3) e o minuto anterior(1), mas nunca o minuto que acontece(2)."

O momento não é um misto entre o minuto seguinte e o minuto anterior, mas sim. ou um. ou outro. O momento não é o que acontece, nem pode ser, visto que ao acontecer, já aconteceu.

O presente assim que o é já é passado. O momento que acontece só contaria de o tempo parasse. O presente não existe.

Cláudia disse...

Atão?????????????
:))

AlfmaniaK disse...

Crestfallen
Por aqui!? Bem vindo e volta mais vezes.
Sobre a questão do que é o momento eu diria mais ou menos a mesma coisa, porém não tentei definir o conceito ou sequer a teoria do que é em concreto ou na prática o momento. O objectivo era interpretar o momento.
Sobre o ser um misto do antes e o depois, é uma questão de perspectivas. Por exemplo: Tiras uma fotografia, páras o tempo. De todos os segundos, ou fracções destes, capturaste um momento ou não? Até onde é possível definir o momento (que já é passado, óbvio)?

Cláudia
Qu'é?!!!!!!!
:))

Pipokka disse...

epááááá nem sei o que diga! gostei tanto do teu texto que me puseste a pensar e ainda nãoestou mesmo preparada para comentar... vou ter que meditar sobre o que escreves.

por acaso dei-me conta de uma coisa... eu tenho muita mania de questionar as cenas e de facto às vezes esqueço-me de as viver...

Jokinhas

mau feitio disse...

E depois quando passam, não ficas a pensar que os momentos não deveriam ser só momentos?

Só mais um pouco...
Não acabe...

lady.bug disse...

é só o que temos, o momento!
é a hora!